Saturday, February 10, 2018

Guénon e o Fim dos Tempos: O Fim de Um Mundo


Os vários assuntos tratados no curso deste estudo constituem o que no todo podem ser, de modo geral, apelidados de ‘sinais dos tempos’ no sentido dos Evangelhos, por outras palavras, os sinais precursores do ‘fim de um mundo’ ou de um ciclo. Este fim apenas parece ser o ‘fim do mundo’, sem qualquer reserva ou especificação de qualquer tipo, para aqueles que não veem nada para além dos limites deste ciclo específico; um erro muito desculpável, é verdade, mas um que no entanto tem consequências lastimáveis nos terrores excessivos e injustificados a que dá azo naqueles que não se encontram suficientemente desligados da existência terrestre; e naturalmente são tais as mesmas pessoas que mais facilmente formam esta conceção errónea, apenas por razão da estreiteza do seu ponto de vista. Na verdade podem existir muitos ‘fins do mundo’, porque existem ciclos de muita variada duração, contidos uns nos outros, e também porque esta mesma noção pode ser sempre aplicada analogicamente em todos os graus e em todos os níveis; mas é óbvio que estes ‘fins’ contêm uma importância desigual, como também os próprios ciclos aos quais pertencem; e nesta conexão deve ser reconhecido que o fim agora em consideração é inegavelmente de considerável maior importância que muitos outros, pois é o fim de um Manvantara completo, e portanto da existência temporal do que justamente pode ser chamado de uma humanidade, mas isto, seja dito uma vez mais, de modo algum implica que signifique o fim do próprio mundo terrestre, porque, através da ‘retificação’ que tomará lugar no instante final, este fim tornar-se-á imediatamente o início de outro Manvantara.

Enquanto nesta matéria, existe ainda um ponto adicional que necessita ser explicado mais precisamente: os partidários do ‘progresso’ têm o hábito de dizer que a ‘idade de ouro’ não se encontra no passado mas no futuro; no entanto, a verdade é que no que respeita ao nosso Manvantara ela encontra-se no passado, pois não é outra coisa que não o próprio ‘estado primordial’. Existe no entanto um pressentimento de que ela se encontra tanto no passado como no futuro, mas apenas na condição de que a atenção não se confine ao atual Manvantara mas seja estendida a incluir a sucessão de ciclos terrestres, pois no que respeita ao futuro tudo menos a ‘idade de ouro’ de outro Manvantara pode ser colocado em questão; está portanto separada do nosso período por uma ‘barreira’ completamente intransponível aos profanos que dizem tal tipo de coisa, e não possuem qualquer tipo de ideia do que falam quando anunciam a aproximação de uma ‘nova era’ como sendo uma a que a atual humanidade esteja ligada. O seu erro, na sua forma mais extremada, será o do próprio Anticristo quando ele reclama trazer à existência uma nova ‘idade de ouro’ através do reinado da ‘contra-tradição’, e quando ele lhe dá uma aparência de autenticidade, puramente traiçoeira e efémera, por meio de uma contrafação da ideia tradicional do Sanctum Regnum; isto torna claro a razão do acima mencionado papel desempenhado pelas conceções ‘evolucionistas’ em todas as ‘pseudo-tradições’, e apesar destas ‘pseudo-tradições’ ainda serem ‘prefigurações’ muitos parciais e débeis da ‘contra-tradição’, no entanto elas estão sem dúvida a contribuir inconscientemente mais diretamente que alguma outra coisa para os preparativos da sua chegada. A ‘barreira’ recentemente aludida, que num sentido compele aqueles para a qual existe a confinarem-se inteiramente ao interior do presente ciclo, é claramente um obstáculo ainda mais insuperável para os representantes da ‘contra-iniciação’ do que é para aqueles para quem nada existe fora do presente ciclo, e será portanto especialmente para eles que o fim do ciclo tem necessariamente de ser o ‘fim do mundo’ no sentido mais completo que a expressão pode conter.

Isto levanta outra questão relacionada, sobre a qual algumas palavras devem ser ditas, apesar de na verdade uma resposta já estar implicitamente contida em algumas considerações previamente abordadas, isto é: em que medida estão as pessoas que mais completamente representam a ‘contra-iniciação’ efetivamente conscientes do papel que estão a desempenhar, e em que medida são elas por outro lado meros instrumentos de uma vontade que ultrapassa a sua própria, e portanto delas está escondida, apesar de estarem inexoravelmente subordinadas a ela? De acordo com o que acima foi dito, os limites entre os dois pontos de vista sobre os quais a sua ação pode ser concebida são determinados essencialmente pelos limites do mundo espiritual, o qual não conseguem penetrar de modo algum; poderão possuir um conhecimento tão extensivo quanto possível das possibilidades do ‘mundo intermédio’, mas este conhecimento será sempre, no entanto, irremediavelmente falsificado pela ausência do espírito, que só ele lhe pode fornecer verdadeira significação. Obviamente tais seres nunca podem ser mecanicistas ou materialistas, nem mesmo partidários do ‘progresso’ ou ‘evolucionistas’ no sentido comum dos termos, e quando eles promulgam no mundo as ideias que estas palavras expressam, estão a praticar uma fraude consciente; mas estas ideias referem-se apenas à ‘anti-tradição’ meramente negativa, que para eles é apenas um meio e não um fim, e eles podiam, como toda a gente, procurar desculpar a sua fraude dizendo que ‘o fim justifica os meios’. Este erro é de uma ordem muito mais profunda que o dos homens que eles influenciam e aos quais aplicam ‘sugestões’ por via dessas ideias, pois não surge de outro modo que não da consequência da sua total e invencível ignorância acerca da verdadeira natureza de toda a espiritualidade; isto torna muito mais difícil dizer exatamente até que ponto eles podem estar conscientes da falsidade da ‘contra-tradição’ que buscam estabelecer, pois eles podem verdadeiramente acreditar que, assim o fazendo, estão a opor o espírito manifestado em toda a tradição normal e regular, e estão situados ao mesmo nível dos que a representam neste mundo; e neste sentido o Anticristo seguramente tem de ser o mais ‘iludido’ de todos os seres. Esta ilusão tem a sua raiz no erro ‘dualista’ já mencionado; dualismo é encontrado de uma forma ou de outra em todos os seres cujo horizonte não se estende para lá de certos limites mesmo se os limites são aqueles do inteiro mundo manifestado; tais pessoas não conseguem resolver a dualidade que veem em todas as coisas que jazem nesses limites referindo-a a um princípio superior, e portanto pensam que é realmente irredutível e são por tanto levados a uma negação da Unidade Suprema, que de facto é para eles como se não existisse. Por esta razão foi possível dizer que os representantes da ‘contra-iniciação’ são no fim contas meros joguetes do papel que eles mesmos desempenham, e que a sua ilusão é na verdade a maior ilusão de todas, já que é positivamente a única onde um ser pode, não apenas ser seriamente mais ou menos desviado, mas na verdade tornar-se irremediavelmente perdido; no entanto, se eles não se encontrassem tão iludidos, claramente não estariam a desempenhar uma função que tem de ser desempenhada, como qualquer outra função, para que o plano Divino possa ser realizado neste mundo.

Isto leva-nos de volta à consideração do duplo aspeto, benéfico ou ‘maléfico, de toda a história do mundo, vista como um ciclo de manifestação; e esta é na verdade a ‘chave’ para todas as explicações tradicionais das condições sob as quais esta manifestação é desenvolvida, especialmente quando está a ser considerada, como agora, no período que a levará diretamente ao seu fim. Por um lado, se esta manifestação é simplesmente tomada em si mesma, sem a referir a um todo muito maior, o processo inteiro desde o seu início até ao seu fim é claramente um de progressiva ‘descida’ ou de ‘degradação’, e isto é o que pode ser apelidado como o seu aspeto ‘maléfico’; mas, por outro lado, a mesma manifestação, quando colocada de volta no todo de que é uma parte, produz efeitos que têm um resultado verdadeiramente ‘positivo’ na existência universal; e o seu desenvolvimento deve ser levado a cabo até ao fim, para incluir um desenvolvimento das possibilidades inferiores da ‘idade escura’, de modo a que a ‘integração’ desses resultados se torne possível e se possa tornar o princípio imediato de outro ciclo de manifestação; isto é o que constitui o aspeto ‘benéfico’. O mesmo aplica-se quando o próprio fim de ciclo é considerado: do ponto de vista especial do que tem então de ser destruído porque a sua manifestação terminou e se encontra como exausto, o fim é naturalmente ‘catastrófico’ no sentido etimológico, no qual o mundo evoca a ideia de uma ‘queda’ súbita e irreparável; mas, por outro lado, do ponto de vista de acordo com o qual a manifestação, ao desaparecer como tal, é trazida de volta ao seu princípio no que concerne a tudo o que é positivo na sua existência, este mesmo fim aparece pelo contrário como a ‘retificação’ de onde, como explicado, todas as coisas são subitamente restabelecidas no seu ‘estado primordial’. Além disso isto pode ser analogicamente aplicado em todos os graus, seja um ser ou um mundo em questão: em resumo, é sempre o ponto de vista parcial que é ‘maléfico’, e o ponto de vista que é total, ou relativamente total com respeito ao outro, que é ‘benéfico’, porque todas as desordens possíveis apenas são desordens quando consideradas em si mesmas e ‘separativamente’, e porque estas desordens parciais são eliminadas completamente na presença da ordem total na qual são ultimamente fundidas, constituindo, quando despidas do seu aspeto ‘negativo’, elementos dessa ordem comparáveis a todos ou outros; não existe de facto nada que seja ‘maléfico’ exceto as limitações que necessariamente condicionam toda a existência contingente. Os dois pontos de vista, respetivamente ‘benéfico’ e ‘maléfico’, foram previamente abordados como se fossem de algum modo simétricos; mas é fácil entender que eles não são nada dessa espécie, e que o segundo apenas significa algo que é instável e transitório, já que apenas o que o primeiro representa tem um caráter permanente e positivo, para que o aspeto ‘benéfico’ possa senão prevalecer no final, enquanto o aspeto ‘maléfico’ completamente desvanece porque na realidade era apenas uma ilusão inerente na ‘separatividade’. No entanto, a verdade é que então não se torna mais apropriado usar a palavra ‘benéfico’ do que a palavra ‘maléfico’, pois os dois termos são essencialmente correlativos e não podem ser usados corretamente para indicar uma oposição quando ela não mais existe, pois ela pertence, como todas as oposições, exclusivamente a um particular domínio relativo e limitado; logo que os limites desse domínio são ultrapassados, existe apenas aquilo que é, e que não pode senão ser, ou ser outra coisa do que é; e como consequência, se não se parar antes da mais profunda ordem de realidade, pode ser dito em toda a verdade que ‘o fim de um mundo’ nunca é e nunca pode ser outra coisa que não o fim de uma ilusão.

No comments:

Post a Comment

O Modo de Vida Tradicional

  Publicamos hoje a tradução de um artigo de Antonio Medrano, intitulado ‘O Modo de Vida Tradicional’, incluído no livro ‘Cuadernos de...